Home > Glossário

Glossário

  • A
  • B
  • C
  • D
  • E
  • F
  • G
  • H
  • I
  • J
  • L
  • M
  • N
  • O
  • P
  • Q
  • R
  • S
  • T
  • V

Abono Anual – É o décimo-terceiro pagamento de benefício ao Participante Assistido ou Beneficiário, em dezembro de cada ano, em valor proporcional ao número de meses completos de recebimento de benefício durante o exercício.

ABRAPP –  Sigla da Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. Entidade sem fins lucrativos, representativa dos fundos de pensão, fundada em março de 1978.

Ação –  Representa a menor parte de uma determinada empresa. A compra de ações na bolsa transforma o investidor que adquire os papeis em sócio da companhia, sujeitando-se às variações de preço e de resultados da empresa.

Aporte Atuarial – Recurso financeiro calculado atuarialmente para cobertura de benefício, visando o equilíbrio do Plano.

Ata de Reunião – Relatório da reunião em empresas, contendo a Ordem do Dia, as deliberações e as decisões dos presentes. A redação de atas é norma legal para reuniões do Conselho Deliberativo e Fiscal e Diretoria.

Ativo – Bens, direitos, créditos e valores pertencentes a uma empresa ou pessoa.

Atuação –  Atua em conjunto com a ABRAPP no aperfeiçoamento profissional e no desenvolvimento do sistema.

Autoridade Certificadora – Entidade de confiança que administra a gestão de certificados digitais através da emissão, revogação e renovação dos mesmos por aprovação individual. Pode emitir diferentes tipos de certificados, atribuindo diferentes níveis de confiança a cada tipo. Ao assinar os certificados que emite, a autoridade certificadora cria um relacionamento entre ela e o certificado emitido. Este relacionamento fica explicito no próprio certificado, pela cadeia de certificação.

Aversão ao Risco – Característica de investidores que não querem correr riscos e que, para isto, aceitam um lucro menor dos seus investimentos – o conhecido, no jargão financeiro, “dançar com a irmã”. Há, no entanto, vários níveis de comportamento em relação ao risco. Uns aceitam correr mais risco que outros e é justamente isso que faz o mercado financeiro girar.

Back Officeretaguarda operacional. Área de processamento e contabilidade, que apoia e controla as operações realizadas pelas instituições financeiras.

BC ou BACEN – É o Banco Central do Brasil. Órgão do Governo Federal, com sede em Brasília e dez representações regionais no País, é responsável por gerir o Sistema Financeiro e entre suas atribuições estão:
– A execução das resoluções do Conselho Monetário Nacional;
-A emissão do papel-moeda (dinheiro);
– O financiamento da dívida pública e a negociação da dívida externa;

Benchmarking – Processo gerencial contínuo e sistemático, inspirado em práticas ancestrais japonesas, de comparação dos produtos, serviços e práticas empresariais entre os concorrentes mais fortes e empresas líderes, com a finalidade de se alcançar um nível de superioridade ou vantagem competitiva; atende à necessidade de informações e ao desejo de corrigir um problema empresarial.

Benchmarks – Índice, produto ou empresa utilizado para comparar a lucratividade entre investimentos, produtos, serviços e taxas por um dado período de tempo. São exemplos de benchmarks brasileiros o Índice Bovespa; Índice Brasil – IBX; Índice Brasil- 50 (IBrX-50); Taxa DI; Variação cambial; taxa Selic.

Beneficiário – Dependente habilitado ao recebimento de benefício de pensão por morte ou pecúlio por morte.

Beneficiários Preferenciais – Dependentes que têm prioridade, de acordo com as classes, para o recebimento do pecúlio por morte.

Benefício de Risco – Benefício de caráter previdenciário pago periodicamente sob a forma de renda ou de anuidades.

Blue Chipnegociação em bloco. Negócio ou leilão envolvendo um grande lote de ações em Bolsa de Valores.

BM&F – Bolsa de Mercadorias e Futuros – Associação, sem fins lucrativos, com objetivo social de:

– efetuar o registro, a compensação e a liquidação, física e financeira, das operações realizadas em seus pregões e/ou registradas em quaisquer de seus sistemas de negociação;

– organizar, prover o funcionamento e desenvolver mercados  livres e abertos, para negociação de quaisquer espécies de títulos e/ou contratos, que possuam como referência ativos financeiros, índices, indicadores, taxas, mercadorias e moedas, nas modalidades a vista e de liquidação futura;

– manter, entre outros, serviços de padronização, classificação, análises, cotações, estatísticas e informações sobre assuntos que interessam à BM&F e a seus sócios;

– prestar serviços de custódia fungível e não fungível de mercadorias, de títulos e valores mobiliários e de quaisquer outros ativos físicos e financeiros.

BNDES – Banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Empresa pública federal vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, que tem como objetivo financiar a longo prazo os empreendimentos, que contribuam para o desenvolvimento do país. Objetiva o fortalecimento da estrutura de capital das empresas privadas e desenvolvimento do mercado de capitais, a comercialização de máquina e equipamentos e o financiamento à exportação. Apóia os investimentos sociais direcionados para a educação e saúde, agricultura familiar, saneamento básico e ambiental e transporte coletivo de massa. Esta ação financiadora resulta na melhoria da competitividade da economia brasileira e na elevação da qualidade de vida da sua população. Os produtos e serviços buscam atender às necessidades de investimentos das empresas de qualquer porte e setor, estabelecidas no país. A parceria com instituições financeiras, com agências estabelecidas em todo país, permite a disseminação do crédito, possibilitando um maior acesso aos recursos do banco.

Bolsa de Valores – Instituição civil sem fins lucrativos destinada a reunir corretores em pregão para operar, em nome de clientes e mediante o pagamento de comissão em fundos públicos, ações, e valores mobiliários. Há uma conduta ética nas negociações que deve observar como a divulgação das operações executadas com presteza, amplitude e detalhes.

Bolsa em Alta – Quando o índice de fechamento do pregão é superior ao fechamento anterior.

Bolsa em Baixa – Quando o índice de fechamento do pregão é inferior ao do fechamento anterior.

Bolsa Estável – Quando o índice de fechamento do pregão se mantém no mesmo nível do fechamento anterior.

Bovespa –  Bolsa de Valores do Estado de São Paulo. É a maior bolsa de valores do Brasil, onde são realizadas a compra e venda de ações.

Cálculo por Equivalência Atuarial – É o cálculo que leva em consideração os saldos das contas Patronal e Pessoal, a expectativa de vida do Participante e a taxa de juros, prevendo o fluxo de entrada e a saída de recursos financeiros.

Câmbio – Operação financeira em que há compra ou venda de moeda estrangeira. É a relação entre valores de duas ou mais moedas nacionais.

Carteira de Ações –Conjunto de ações de diferentes empresas que pertence a um investidor (pessoa física ou jurídica).

CGPC – Conselho de Gestão da Previdência Complementar – Órgão colegiado integrante da estrutura básica do Ministério da Previdência Social, responsável pela regulação, normatização e coordenação das atividades das EFPCs.

CMN – Conselho Monetário Nacional – Instância máxima da estrutura do Sistema Financeiro Nacional, é quem fixa as diretrizes gerais das políticas monetária, cambial e de crédito e regula as condições de constituição, funcionamento e fiscalização das instituições financeiras. É formado pelo ministro da Fazenda (Presidente do Conselho), o Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, e o Presidente do Banco Central. Entre as suas atribuições estão:
– Adaptar o volume dos meios de pagamento às reais necessidades da economia;
– Regular o valor interno e externo da moeda e o equilíbrio do balanço de pagamentos;
– Orientar a aplicação dos recursos das instituições financeiras;
– Zelar pela liquidez e solvência das instituições financeiras;
– Coordenar as políticas monetárias, creditícia, orçamentária e da dívida pública interna e externa.

Coabitação – Estado de duas pessoas que habitam conjuntamente como casados. Vida em comum.

Commodities – Termo inglês que significa “mercadoria”. No mercado financeiro define um tipo de produto com grau pequeno de industrialização, agrícola ou mineral, e grande importância econômica por ser bastante negociado no mercado de importação e exportação; café, algodão, soja, cobre, petróleo são alguns exemplos. Esses produtos são negociados em bolsas de valores específicas.

Companheira – Pessoa que coabita e convive maritalmente com o Participante. Para habilitação ao benefício faz-se necessária a comprovação da coabitação.

Cônjuge – Cada um dos casados em relação ao outro, com situação regularizada pela Certidão de Casamento.

Contribuição – Valor vertido ao plano de benefícios pelo participante, assistido ou patrocinador, para o custeio dos benefícios e das despesas administrativas.

Contribuições Faelba – Contribuição do Participante e do Patrocinador recolhidas mensalmente.

Conta Pessoal – É o nome dado à conta formada com as contribuições recolhidas pelo Participante, acrescidas da rentabilidade líquida obtida com a aplicação dos recursos.

Conta Patronal – É aquela onde são depositadas as contribuições feitas pelo Patrocinador, em nome de cada Participante, acrescidas da rentabilidade líquida obtida com a aplicação dos recursos.

COPOM – Comitê de Política Monetária – Órgão ligado ao BC é encarregado de definir a taxa de juros básica da economia e decidir a meta da taxa SELIC, que deve vigorar no período entre suas reuniões ordinárias, cujo calendário é divulgado anualmente. Quando o CMN estabelece metas de inflação, cabe ao COPOM implementar uma política monetária capaz de alcançá-las. É composto por membros da diretoria colegiada do Banco Central.

Crash – Denomina a queda veloz das cotações das ações para níveis extremamente baixos; crise econômica súbita e generalizada. O primeiro e o mais famoso crash foi o de 24 de outubro de 1929 (a quinta-feira negra) na Bolsa de Valores de Nova York, dando início a crise econômica mundial dos anos 30, que ficou conhecida como a Grande Depressão.

Custeio Administrativo – Valor destinado à cobertura das despesas decorrentes da administração dos Planos de Benefícios de uma Entidade Fechada de Previdência Complementar (EFPC), conforme definido nos Regulamentos e respectivos planos de custeio.

Demonstrações Contábeis – Conjunto de relatórios emitidos anualmente pelas EFPCs, compondo-se do Balanço Patrimonial, Demonstração de Resultados, Demonstração dos Fluxos Financeiros e respectivas notas explicativas às demonstrações contábeis.

Demonstrativo dos Resultados da Avaliação Atuarial (DRAA) – Documento elaborado pelo atuário responsável pelo acompanhamento do plano, assinado por ele e por representantes da EFPC e dos patrocinadores/instituidores, que deve ser enviado anualmente pela entidade à SPC – Secretaria de Previdência Complementar, ou sempre que houver alteração que justifique nova avaliação atuarial, contendo informações relativas à avaliação atuarial do Plano de Benefícios, possibilitando análise e acompanhamento da situação do plano pelo órgão fiscalizador.

Despesa Contingencial – Valor pertinente à ocorrência de fatos nas áreas previdenciárias, assistenciais, administrativas, trabalhistas e fiscais, oriundos de interpretações divergentes, que merecerão decisões futuras, podendo ou não gerar desembolso pela EFPC.

Dependente – É a pessoa que vive sob dependência econômica do Participante, sendo um possível titular de direitos perante ao Plano de Benefícios da Faelba.

EFPC – Entidade Fechada de Previdência Complementar – Está prevista na Lei Complementar nº 109, de 2001, sendo conhecida, em geral, como fundo de pensão, é aquela constituída sob a forma de sociedade civil ou fundação, sem fins lucrativos, com a finalidade de administrar planos privados de concessão de benefícios complementares de aposentadoria, acessíveis a grupos específicos de pessoas, por intermédio de seus empregadores, chamados de patrocinadores, a exemplo, a NÉOS. Cada entidade deve ter um estatuto e cada plano deve possuir um regulamento. Para atuar, é obrigatória a composição de um Conselho deliberativo, um Conselho Fiscal e uma Diretoria Executiva.

Estatuto – Documento que disciplina o funcionamento da Néos.

Extrato :
– Documento enviado periodicamente a cada participante de Plano de Benefícios, contendo informações individualizadas sobre a sua participação;
– Documento disponibilizado ao participante contendo informações individualizadas sobre as condições para opção pelos institutos do Autopatrocínio, Benefício Proporcional Diferido, Portabilidade ou Resgate.

Fiscalização – A fiscalização das EFPCs, ou fundos de pensão, é realizada pela Secretaria de Previdência Complementar – SPC, órgão do Ministério da Previdência Social.

Ganho de Capital – Acréscimo de patrimônio devido a resultados positivos em operações financeiras.

Garantia – Documento, compromisso ou assinatura com que se assegura a execução de direito ou obrigação contratado, ou a satisfação de um crédito.

Gerência de Risco – Conjunto de técnicas que visa avaliar, de acordo com um padrão estatístico ou determinista, as perdas causadas por variações de mercado, operacionais, de crédito, entre outros.

Governança Corporativa – Práticas e relacionamentos entre Acionista/Cotista, Conselho de Administração, Diretoria, Auditoria Independente e Conselho Fiscal, com a finalidade de otimizar o desempenho da empresa, e facilitar o acesso ao capital. Abrangem os assuntos relativos ao poder de controle e direção de uma empresa, bem como as diferente formas e esferas de seu exercício, e os diversos interesses que, de alguma forma, estão ligados à vida das sociedades comerciais.

Hedge – Cobrir, defender, safar, garantir, proteger, travar. Estratégia pela qual investidores com intenções definidas procuram cobrir-se do risco de variações de preços, desvantajosas para seus propósitos. A operação de Hedge não significa que o risco da operação foi eliminado totalmente.

Hedge Cambial – Operação de compra e venda de moedas estrangeira.

Indexador – Índice estipulado pelo governo para ser atrelado a rendimentos monetários, como forma de compensar a desvalorização de valores quando há inflação. Esse tipo de mecanismo também costuma ser reclamado pelos sindicatos como uma forma de manter o valor real dos salários. Na prática, a indexação produz, em geral, um efeito inercial que dificulta o combate à inflação.

Juro – Custo pago pelo tomador de dinheiro ao doador, mais o custo da intermediação financeira.

Juro pós-fixado – Juro calculado sobre o montante final.

Juro prefixado – Juro calculado sobre o montante inicial.

Lançamento Tributário – Procedimento administrativo tendente a verificar a ocorrência do fato gerador da obrigação correspondente, determinar a matéria tributável, calcular o montante do tributo devido, identificar o sujeito passivo e, sendo o caso, propor a aplicação da penalidade cabível.

Liquidez – Capacidade de comprar ou vender um investimento com o mínimo de esforço, sem afetar seu preço. Ou a capacidade de converter um investimento em dinheiro.

Longo Prazo – Período no qual todos os custos e fatores de produção podem ser alterados. Em contabilidade, período que se estende por mais de um exercício.

Lucro Bruto – Receita total menos despesa operacional de uma empresa, exceto impostos e participações.

Lucro Líquido – Lucro Bruto menos depreciação, despesas não operacionais, impostos de renda e participações diversas. A partir do lucro líquido calcula-se o dividendo a pagar.

Margem Consignável – Valor máximo de prestação permitido para a concessão de empréstimo.

Meta Mínima Atuarial – Valor mínimo esperado para o retorno de investimentos dos recursos garantidores do Plano de Benefícios, geralmente fixado como sendo a taxa de juros adotada na avaliação atuarial conjugada com o Índice do Plano.

Nasdaq – Sigla de National Association of Security Dealers Automated Quatation. Criada em 1971, nos Estados Unidos, foi a primeira bolsa do mundo a negociar exclusivamente ações de empresas de Internet, informática e tecnologia, entre as quais a Microsoft, Intel, Dell Computer, Yahoo, Amazon.com, etc., e é a principal instituição norte-americana operando no mercado de balcão – com cerca de 3,3 mil empresas negociando ações diariamente. Depois de unir-se à American Stock Exchange (AMEX), formou o Nasdaq-Amex Market Group.

Nota Técnica Atuaria (NTA) – Documento técnico elaborado por atuário contendo as expressões de cálculo das provisões, reservas e fundos de natureza atuarial, contribuições e metodologia de cálculo para apuração de perdas e ganhos atuariais, de acordo com as hipóteses biométricas, demográficas, financeiras e econômicas, modalidade dos benefícios constantes do Regulamento, métodos atuariais e metodologia de cálculo.

Objetivos estatutários
Promover a defesa dos interesses das entidades associadas, atuando, para este fim, junto a quaisquer órgãos dos poderes constituídos e entidades dos setores público e privado;
– Contribuir para a expansão, o fortalecimento e o aperfeiçoamento da previdência complementar;
– Organizar, promover ou realizar estudos, análises, pesquisas, cursos, congressos ou outros tipos de conclaves sobre temas, problemas e aspectos da previdência complementar;
-Representar e substituir as associadas nos seus pleitos judiciais ou extrajudiciais, nos termos previstos na Constituição Federal;
– Colaborar com o Poder Público em tudo o que disser respeito à previdência complementar, especialmente no tocante à sua regulamentação e ao estabelecimento a execução de políticas e diretrizes básicas pertinentes às suas atividades.

Órgão Fiscalizador – Órgão definido por lei para supervisionar, fiscalizar, coordenar, orientar e controlar as atividades das EFPC’s.

Participante Assistido – Participante que estiver recebendo qualquer benefício de suplementação na Faelba.

Participante Ativo – Empregado do Patrocinador inscrito nos Planos da Faelba e que não esteja recebendo qualquer benefício de suplementação.

Pessoa Física Designada –Qualquer pessoa física indicada pelo Participante para fins de recebimento do benefício Pecúlio por Morte, em caso de inexistência de outros beneficiários preferenciais.

Plano de Benefício Definido BD – Plano cuja característica principal é o conhecimento antecipado do benefício que será pago ao Participante quando da aposentadoria. O benefício corresponde a um percentual da média dos salários anteriores ao afastamento da atividade, deduzida a parcela previdenciária.

Plano de Contribuição Definida CD – Modalidade de Plano em que o valor do benefício complementar é estabelecido apenas no momento da sua concessão, com base no montante das contribuições previamente fixadas e vertidas ao Plano durante a fase contributiva.

Política de Investimentos – Documento elaborado e aprovado no âmbito da entidade, com observância da legislação e de acordo com os compromissos atuariais do Plano de Benefícios, com o intuito de definir a estratégia de alocação dos Recursos Garantidores do Plano no horizonte de no mínimo cinco anos, com revisões anuais.

PREVIC – Superintendência Nacional de Previdência Complementar, autarquia de natureza especial vinculada ao Ministério da Previdência Social. Atua em todo o território nacional como entidade de fiscalização e de supervisão das atividades das entidades fechadas de previdência complementar. É responsável também pela execução das políticas para o regime de previdência complementar, operado pelas entidades fechadas de previdência complementar (EFPC), observadas as disposições constitucionais e legais aplicáveis.

Previdência Social – Conjunto de medidas estabelecidas pelo Estado, visando garantir os meios indispensáveis de manutenção àqueles que exercem atividades remuneradas (Segurados) nos caso de doença e aposentadoria. Na hipótese de morte do segurado tais meios de manutenção são garantidos aos seus dependentes.

Provisão Matemática – Conta contábil que registra o valor da Reserva Matemática do Plano de Benefícios.

Quitação – Ato pelo qual o credor declara extinta uma obrigação por ele exigível.

Quota – Nos fundos, fração ideal do patrimônio do fundo. Unidade de contribuição para a formação do capital das sociedades limitadas. Representa a menos parcela em que se divide o capital da sociedade. Não é negociável em mercados organizados. O mesmo que cota.

Rating – Expressão inglesa que significa classificação do risco oferecido por um banco, um fundo de investimento, uma empresa ou um país. Feito por agências especializadas, serve como referência aos investidores na hora de decidirem onde aplicar os recursos. A classificação é expressa em termos de qualidade (excelente a péssima) ou nível de risco (investment grade a inadimplente). Entre as maiores rating agencies estão as norteamericanas Standard & Poo’r e Moody’s Investors.

Regulação –  Cabe ao Conselho de Gestão da Previdência Complementar – CGPC, órgão colegiado também vinculado ao Ministério da Previdência Social.

Regulamento – Documento que tem como objetivo disciplinar os direitos e obrigações da Néos, dos Patrocinadores, dos Participantes e dos Beneficiários.

Renda Fixa – É o tipo de investimento que possui uma remuneração ou um retorno de capital investido dimensionado no momento da aplicação. O investimento pode não só ser econômico, como também pode ser um trabalho (administrativo ou manual), ou qualquer outro tipo de serviço a favor de um empreendimento ou corporação. Pode ser o nome do tipo de rendimento obtido por um investimento em títulos do mercado financeiro (chamado de aplicação financeira no Brasil).

Renda Variável – São aqueles cuja remuneração ou retorno de capital não pode ser dimensionado no momento da aplicação, podendo variar positivamente ou negativamente, de acordo com as expectativas do mercado. Os mais comuns são: ações, fundos de renda variável (fundo de ação, multimercado e outros), quotas ou quinhões de capital, Commodities (ouro, moeda e outros) e os derivativos (contratos negociados nas Bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas).

Reserva de poupança – Valor relativo às contribuições e jóia efetuadas pelo Participante aos Planos da Néos.

Reserva Matemática – Valor monetário que designa os compromissos da EFPC em relação a seus participantes em uma determinada data. Corresponde à soma da reserva matemática de benefícios a conceder e a reserva matemática de benefícios concedidos.

SELIC – Sistema Especial de Liquidação e Custódia – Sistema computadorizado do BC ao qual apenas as instituições credenciadas no mercado financeiro têm acesso. Sua função é dar liquidez aos negócios, assim como às compensações bancárias. Em tempo real, transfere o título para o comprador e credita o valor na conta do vendedor. O Selic também monitora as reservas financeiras dos bancos. A taxa Selic baliza todas as outras taxas de juros da economia: do Cheque especial, do crediário, dos cartões de crédito. Quando a Selic baixa, a rentabilidade dos títulos públicos também fica menor.

SINDAPP –  Sigla do Sindicato Nacional das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. Constituída em1984 para fins de coordenação, proteção e representação legal da categoria econômica EFPCs.

Suplementação – Benefício de renda continuada paga ao Assistido, conforme estabelecido no Plano de Benefícios administrado por uma EFPC.

Tarifa – Preço de serviço público. Tabela de incidência de imposto aduaneiro.

Taxa – Porcentagem do juro sobre o capital na unidade de tempo determinada. Razão entre a variação de duas grandezas. Tributo arrecadado pela União, ou pelos estados ou pelos municípios, a título de prestar certos serviços à população em geral.

Taxa de Juros – Taxa porcentual cobrada para empréstimos, crédito ou financiamentos de dinheiro. Taxa porcentual paga em títulos de crédito.

Taxa SELIC – Taxa que corresponde à taxa média de juros dos negócios com títulos federais, liquidados através do SELIC.

Tributação – Lançamento e arrecadação de tributos.

Tributo – Toda prestação pecuniária compulsória, em moeda, ou sujo valor nela se possa exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada. São tributos: impostos, taxas e contribuições de melhoria.

Volatilidade –  Representa a intensidade das variações das cotações de um título num certo período de tempo. O valor de uma ação tem alta volatilidade quando apresenta fortes variações; já uma aplicação estável tem baixa volatilidade. É um fator importante na decisão de um investimento.